A INTELIGÊNCIA COMO FORMADORA DA PERSONALIDADE

Uma psicologia de base metafísica

Psicologia Dinâmica é uma expressão cunhada a partir dos princípios da metafísica do ser, elevada ao ápice pelo mestre medieval Tomás de Aquino, que para tanto realizou uma síntese extraordinária entre a metafísica do ato e da potência de Aristóteles e a doutrina da participação de Platão.

Os pressupostos de que se vale a clínica da Psicologia Dinâmica, sintetizados na área “Princípios Gerais” deste site, obedecem a um tópico elementar: o homem não é governado por instâncias inconscientes ou subconscientes de sua psique. Isto equivaleria a ser governado pelo que nele é caos, pelo que nele são trevas, pelo que nele irrompe de maneira invisível ao modo de força desagregadora radical. Ao contrário, o homem (ainda quando ignora tal fato) governa-se pelos vestígios de inteligibilidade que há nas coisas, os quais só podem ser apreendidos pela inteligência. Esta é a bússola que o orienta durante a sua caminhada existencial; portanto, quanto mais intacta se preserve, mas ajudará o homem a relacionar-se consigo mesmo, com as demais pessoas e com o mundo de maneira saudável, de maneira realística, de maneira em que o senso de proporções esteja preservado.

Educar a vontade é algo que somente uma inteligência bem formada é capaz de fazer. Neste contexto, o psicólogo de orientação tomista tem a seu dispor um vastíssimo material, oriundo de séculos de estudo aprofundado acerca da natureza humana.

A propósito, a escola tomista atravessou 700 anos e continua pujante, com trabalhos sendo publicados em universidades da Europa e dos EUA. Ela é o vetor da Psicologia Dinâmica. Contemporaneamente, destacamos o Dr. Martín Echavarría e o Dr. Ignacio Andereggen, ambos atuantes em universidades européias e prolíficos escritores. Também é referência fundamental da Psicologia Dinâmica o filósofo alemão Josef Pieper, que escreveu importantes tratados sobre as virtudes, hábitos operativos bons que formam o caráter (de maneira indelével) na excelência que o homem é chamado a realizar em sua vida, dadas as potências constituintes do seu ato de ser. Acima de todos eles, como modelo exemplar, o próprio Tomás de Aquino, que em obras como a “Suma Teológica” e as “Questões Disputadas Sobre a Alma”, entre outras, deixou-nos um inesgotável manancial de conceitos de que ainda hoje é possível extrair corolários.

Encerramos esta brevíssima apresentação salientando que não existem fórmulas mágicas para a pessoa humana alcançar o equilíbrio, pois a tensão entre princípios ordenadores e forças dissolventes se mantém ao longo de toda a vida.

Daí a importância de enxergar uns e outras.